Pesquisar este blog

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Imagens Históricas 20: Enchente no "Buraco do Adhemar"



O ano: 1958. E as enchentes já faziam parte do cotidiano dos moradores da capital paulista. Inclusive no cartão postal da cidade, o vale do Anhangabaú e o então famoso "Buraco do Adhemar". Por que esse nome? Trata-se de uma referência ao ex-governador de São Paulo, Adhemar de Barros, que mandou construir a passagem subterrânea de 225 metros de extensão no ponto em que a avenida São João cruza o vale do Anhangabaú. A obra já havia sido planejada pelo prefeito Prestes Maia na década de 1930, mas acabou sendo construída muitos anos depois e inaugurada em 1950. Adhemar de Barros ficou conhecido como o político que "rouba, mas faz". Uma alusão a uma suposta comissão paga ao chefe do Executivo paulista por construtoras e empreiteiras. Suposta comissão? Bem na época da Ditadura Militar, em 1969, o grupo guerrilheiro VAR-Palmares conseguiu apreender o cofre onde estariam os milhares de dólares da famosa "caixinha do Ademar" e utilizou o dinheiro para financiar a luta armada contra o governo ditatorial. O cofre continha aproximadamente 2,5 milhões de dólares (em valores da época). E quanto às obras? Bem, desde que foi nomeado interventor (cargo equivalente ao de governador) pelo ditador Getúlio Vargas em 1938, Ademar colecionou nas três vezes em que ocupou a chefia do Executivo de São Paulo, grandes obras, como o complexo do Hospital das Clínicas, a vias Anchieta e Anhanguera, o Estádio Municipal do Pacaembu, hidrelétricas, o Parque Municipal e Balneário da Moóca (na época o maior da América Latina) e claro, o famoso "buraco". Proveniente de uma rica família de fazendeiros de café, Adhemar de Barros também foi empresário, proprietário da conhecida fábrica de chocolates Lacta e da Rádio Bandeirantes, a qual foi comprada de Paulo Machado de Carvalho e que deu origem ao Grupo de Comunicação Bandeirantes, do genro de Adhemar, João Saad. 
Contudo, o reinado de Adhemar foi ameaçado na década de 1950 por um outro fenômeno político: Jânio Quadros. A rivalidade entre Ademar e Jânio ficou famosa e continuou, mesmo após a morte de Ademar em 1969. Quando prefeito de São Paulo pela segunda vez, Jânio Quadros lançou um plano de remodelação do Anhangabaú e projetou um novo túnel, que começou a ser construído em 1988. Esse projeto é o que deu o novo visual que o vale do Anhangabaú tem nos dias atuais. Para Adhemar de Barros Filho, Jânio Quadros quis desfazer a obra de seu pai e riscar o nome de Adhemar da história de São Paulo. Bem, o "Buraco" desapareceu, mas a história controversa desse conhecido político paulista é contada até hoje. Inclusive em anedotas. Conta-se que certa feita ao fazer a promessa da construção de uma ponte em uma cidade do interior paulista, Adhemar foi advertido em pleno comício eleitoral:
- Governador, a cidade não precisa de ponte, aqui não existe rio!
Ao que Adhemar emendou:
- Não têm problema, eu mando trazer o rio também...
A imagem histórica de hoje é proveniente da Agência Estado e está disponível no seguinte endereço:
http://fotos.estadao.com.br/galerias/acervo,fotos-historicas,15357

Nenhum comentário:

Postar um comentário