Pesquisar este blog

domingo, 10 de dezembro de 2017

Anúncio Antigo 48: Elvis, o Ídolo Imortal



1º lugar na Bolsa? De filmes em cartaz, é claro. Caro leitor, o Anúncio Antigo de hoje é um pequeno aperitivo para uma postagem que estamos preparando sobre o cantor Elvis Presley e sua relação com os brasileiros. Mas, há tanta coisa assim a dizer sobre isso, uma vez que o ídolo do rock'n roll jamais pôs os pés em território tupiniquim? O mais interessante é que há. E por nossos méritos! Os brasileiros que cruzaram com a trajetória do grande astro norte-americano o fizeram por enorme competência, cada um em seu respectivo segmento profissional, fossem eles (ou elas) jornalistas, cantoras, compositores, músicos, arranjadores e até, médicos. 
Bem, mas deixemos isso para a postagem que virá, em breve. Por enquanto, temos este anúncio (imagem acima), publicado no jornal O Estado de S. Paulo, do dia 3 de junho de 1982. Trata-se daquele que é apontado como o melhor documentário feito sobre o grande astro: "Elvis, o Ídolo Imortal" (This is Elvis, 1981). No mesmo, temos a trajetória de Elvis Presley, desde a infância até a sua morte em 1977, já com sua carreira (e suas condições de saúde) em pleno declínio. O filme mostra cenas dos programas de televisão da década de 1950, em que Elvis apareceu (como Milton Berle Show, Dorsey TV Show e o Ed Sullivan Show), entrevistas (as raras que Elvis concedia), cinejornais, shows e, claro, várias imagens selecionadas de suas películas como ator, as quais totalizaram 30 filmes. Sim, existem mais dois documentários feitos com Elvis em vida, a partir de seus shows. "Elvis, o Ídolo Imortal" foi produzido quatro anos após a morte do cantor, na mesma época em que sua casa, localizada na cidade de Memphis, no estado norte-americano do Tennessee estava sendo aberta ao público. 



Um álbum duplo (em vinil) foi lançado com os melhores momentos do filme (imagens acima), as canções e ainda com o áudio das apresentações na televisão (incluindo as entrevistas), de excelente qualidade, pois foge das tradicionais e conhecidas coletâneas que já haviam sido lançadas sobre o cantor. No início da década de 1980, começava uma bem montada estrutura de marketing, capitaneada por sua viúva, Priscila Beaulieu Presley, que transformaria Elvis no artista morto que mais fatura no mundo. 


O documentário (na foto acima, o poster original do filme) ajudou a consolidar o nome de Elvis Presley como um caso exemplar do sonho americano, do rapaz pobre que conseguiu sucesso, através de seu talento. Convenhamos, algo muito difícil de se repetir hoje, sobretudo no show business. Contudo, não nos esqueçamos que Elvis pouco desfrutou de seu exito, falecendo com apenas 42 anos de idade, numa época em que se sujeitava a um ritmo exaustivo de shows pelo interior do Estados Unidos, a fim de sustentar uma penca de guarda-costas, assessores e familiares, a chamada "Máfia de Memphis". Para os que tiverem curiosidade, a produção está disponível em DVD. 
Crédito das Imagens:
Álbum "Elvis, o Ídolo Imortal": acervo do autor. 
Poster original de "Elvis, o Ídolo Imortal":
http://www.moviemem.com/products/elvis-presley/this-is-elvis-original-daybill-movie-poster-elvis

Nenhum comentário:

Postar um comentário