Pesquisar este blog

domingo, 11 de janeiro de 2015

Moisés, Ramsés II e o Êxodo



Não há a menor dúvida de que as narrativas da Bíblia despertam o interesse de milhões de pessoas. Primeiro por ser parte de uma tradição que influenciou diretamente três religiões: a judaica, a cristã e a islâmica. Segundo, por fazer referência aos povos da Antiguidade, cujo legado chegou até nós e moldou a nossa cultura ocidental. Por outro lado fica a dúvida para alguns, de como interpretar tais eventos: aos olhos da fé ou da razão? 
O estudo das religiões e dos mitos requer a perspectiva da compreensão de seus significados para as várias sociedades e civilizações. Para a estudiosa da História das Religiões, Karen Armstrong, os mitos se sobressaem nos momentos de profunda angústia do homem em relação aos problemas concretos da sua existência, os quais muitas vezes não podem ser solucionados de forma puramente racional. O mito busca, por meio das situações passadas, servir de modelo para que as comunidades e sociedades possam transpor determinadas etapas, sendo relembrados por meio de cerimônias ou ritos de passagem, os quais cumprem a tarefa de preparar os indivíduos para situações reais, como por exemplo, a possibilidade de uma guerra, os períodos de fome e o enfrentamento da morte. Da mesma forma que a ciência e a tecnologia, os mitos não estão desconectados do mundo real, pelo contrário, auxiliam o homem a viver de forma plena dentro do mesmo. Nesse sentido, os mitos não necessitam ser interpretados de forma literal ou vistos apenas pelo ponto de vista de serem verdadeiros ou não.
Por sua vez, para o historiador, os textos bíblicos constituem também uma importante fonte para o conhecimento histórico e como tal devem ser interrogados, analisados e confrontados com outras informações. O que mais se têm tentado fazer, por influência do cientificismo do século XIX, é a busca de vestígios arqueológicos, que pudessem amparar os fatos citados na Bíblia. Por outro lado, o estudo apurado dos textos bíblicos feito por eruditos, linguistas e especialistas em História das Religiões pode também trazer informações substanciais, inclusive sobre a influência das demais correntes religiosas da Antiguidade na formação da tradição monoteísta dos hebreus. Evidentemente, a fé em Deus é algo que cabe à individualidade de cada um, até mesmo do historiador. A analise dos fatos históricos, por sua vez, está inserida nos parâmetros metodológicos estabelecidos pela historiografia e do estudo das fontes.
Por falar em fontes, aí está o grande problema com relação aos eventos bíblicos, pois, quanto mais retroagimos no tempo, mais nos defrontamos com a escassez das mesmas, sobretudo as escritas. Em muitas situações, dispomos apenas da própria Bíblia. É o caso dos tempos em que ocorreu a presença dos hebreus no Egito, do Êxodo e da figura de Moisés (na imagem acima, estatua representando o personagem bíblico, esculpida por Miguel Ângelo e concluída em 1515). 



As narrativas bíblicas apontam que, por volta do ano 1.600 a.C., os hebreus deixaram a antiga Canaã (parte da atual Israel, como mostra o mapa acima) e foram viver em terras egípcias. Os hebreus? É complicado afirmar que nessa época os hebreus constituíssem uma coletividade homogênea e que já estivessem seguindo o deus único, Iavé ou Jeová. Muito provavelmente tratava-se de um conjunto de tribos, talvez as 12 tribos citadas no Antigo Testamento (primeira parte da Bíblia). As terras de Canaã comportavam também outras populações de origem semita, que não eram necessariamente parte das famílias hebraicas, mas que conviviam no mesmo território, conhecidas de forma geral como cananeus. Possivelmente, algumas delas também tenham se deslocado para o reino dos faraós.



As condições naturais do Egito, com as cheias do rio Nilo, proporcionavam uma agricultura desenvolvida para a época. A construção dos canais de irrigação aprimorou essa atividade e, com certeza, pode ter atraído outras populações para aquele reino, em busca de alimentos. De acordo com o Antigo Testamento, os hebreus teriam permanecido lá por quase 400 anos e com o tempo acabaram sendo escravizados. A situação teria atingido o seu pior momento nos reinados dos faraós Seth I e de seu filho, Ramsés II, no século XIII a. C.. Com relação a este último monarca, relacionado por muitos estudiosos com a época do Êxodo, existem fontes materiais e documentais, inclusive a sua própria múmia (na imagem acima, a múmia de Ramsés II, no Museu do Cairo). Nenhuma dessas fontes, porém, relaciona esse faraó com os hebreus. Aliás, a própria Bíblia não cita o nome desse faraó. 



Alguns historiadores, inclusive, consideram que o Êxodo poderia ter ocorrido no reinado de algum outro rei egípcio, como Tutmés III, que reinou antes de Ramsés e promoveu a expansão do Egito em direção ao Oriente Médio. Como um evento da dimensão do Êxodo, que teria envolvido centenas de milhares de indivíduos, passou despercebido no próprio Egito, não sendo mencionado pelos escribas dos faraós? Exatamente isto é o que intriga os estudiosos e historiadores. O texto bíblico começou a adquirir forma escrita aproximadamente 700 anos após o evento ter ocorrido (na foto acima, o mais antigo fragmento de texto bíblico conhecido, escrito em folha de prata, referente ao Livro dos Números, datado do século VII a. C.). Como observamos anteriormente, isso não significa desprezar por completo as narrativas bíblicas, mas talvez coloca-las em sua devida dimensão e de acordo com o contexto histórico daquele momento.


As informações sobre a origem do povo hebreu também são imprecisas. Aliás, a referência mais antiga a respeito dos israelitas é uma inscrição encontrada no próprio Egito, datada do reinado do faraó Merneptah, que governou entre 1.224 e 1.214 a. C. e que foi sucessor de Ramsés II. Uma estela de pedra refere-se às campanhas militares desse rei egípcio em Canaã (atual Israel), onde viviam os israelitas, mencionados na segunda linha da inscrição, contada de baixo para cima (na imagem acima, a estela de Merneptah). Tal referência colocava os hebreus dentro de um conjunto de tribos de pastores espalhadas pelas montanhas de Canaã.


Mas, voltemos ao Êxodo. Os hebreus que viviam no Egito poderiam ter feito parte de um grupo ou estamento social inferior, conhecido pelo nome de Habiru ou Apiru. Do primeiro termo, talvez tenha surgido a palavra hebreu. Nessa condição, teriam sido obrigados a participar da construção do templo de Seth I (na imagem acima, a múmia de Seth I, pai de Ramsés II) e na nova cidade de seu sucessor, Ramsés II, o qual reinou entre 1.290 e 1.224 a.C.. Estes dois reis fizeram parte da XIX Dinastia de faraós que governaram o Antigo Egito. Nessa época, teria vivido Moisés. Quando de seu nascimento, o faraó teria decretado que todos os bebês hebreus recém nascidos deveriam ser afogados no rio Nilo. Contudo, Moisés teria sido recolhido das águas e salvo pela própria filha do faraó, crescendo na condição de príncipe da corte egípcia. O próprio nome Moisés, que significa "tirado das águas" é egípcio, lembrando o nome dos reis locais, como o próprio Ramsés. Adulto, Moisés liderou a luta para que seu povo pudesse sair da escravidão e retornar à terra de origem. 


De fato, Seth e Ramsés II foram grandes construtores (na imagem acima, detalhe dos colossos de Abu Simbel com 20 metros de altura, representando o faraó Ramsés II). Contudo, muitos egiptólogos (estudiosos do Antigo Egito) atribuem também a Ramsés o fato de ter usurpado as obras de reis anteriores, mandando raspar o nome dos mesmos. De qualquer forma, isso não tirou-lhe a fama de construtor de cidades e templos.


Para pressionar o faraó, Moisés e Aarão, seu irmão, lançaram as pragas sobre o Egito, a fim de demonstrar os poderes do Deus hebreu. Novamente aqui a dúvida dos historiadores. Os papiros e inscrições não mencionam essa série de pragas, embora a possibilidade de que tais acontecimentos pudessem ocorrer no Egito, fosse verificada. Na descrição das pragas, o texto bíblico remete à alguns aspectos da ecologia do Egito Antigo, como por exemplo, os reveses que poderiam acompanhar as enchentes do rio Nilo, o excesso de lodo trazido pelas águas e os pequenos animais fugindo das inundações, como escorpiões, cobras e rãs, os quais tentavam alcançar os terrenos mais altos (na foto acima, a técnica de construção dos canais de irrigação, usada no Egito até hoje). Essas enchentes, fora dos padrões habituais, poderiam influenciar as colheitas, em função da demora para as águas baixarem e ter início a semeadura. Uma colheita ruim poderia, inclusive, prejudicar a imagem do faraó perante os seus súditos. De acordo com os textos bíblicos, a última dessas pragas atingiu o primogênito de Ramsés II, fazendo com que ele atendesse aos pedidos de Moisés. Os cálculos complexos, realizados por especialistas, apontam o ano de 1.250 a.C., como tendo sido a época do Êxodo, que coincide com o reinado desse conhecido faraó, o qual governou por mais de 60 anos.
Após o rei do Egito permitir que os hebreus retornassem a Canaã, Moisés acabou ele mesmo conduzindo a retirada de seu povo, levando-o até uma massa de água conhecida como "Mar dos Juncos", que muitos identificaram como sendo o Mar Vermelho. O mar se abriu e os hebreus o transpuseram. Posteriormente, Moisés conduziu os israelitas até as encostas do monte Sinai, na península do mesmo nome, que separa a África do Oriente Médio, onde recebeu as leis divinas ou "Tábuas da Lei", contendo os 10 Mandamentos. Os hebreus estabeleceram, nesse momento, a aliança com Deus ou Iavé e empreenderam, durante 40 anos, o retorno para Canaã. 
Do ponto de vista histórico, muitas dúvidas podem ser lançadas sobre os relatos do Êxodo. A primeira diz respeito aos hebreus terem sido escravizados. A escravidão no Antigo Egito era uma forma de trabalho suplementar, uma vez que grande parte das obras eram realizadas pela própria população camponesa, que prestava serviços ao Estado. O escravismo antigo só se desenvolveu de forma plena na Grécia e no Império Romano. Outro aspecto diz respeito à logística exigida para um deslocamento populacional no deserto, envolvendo centenas de milhares de pessoas, algo impensável naquela época. O Mar Vermelho pode não ser o local da travessia, que poderia ter sido feita pelo istmo do Sinai (onde hoje está o canal de Suez), na época o "mar dos juncos". Do ponto de vista religioso, a unidade dos hebreus em torno de seu único Deus somente seria alcançada séculos depois, nos tempos dos reis David e Salomão. 



A unidade política do tempo da monarquia é a que apresenta mais evidências arqueológicas, que podem permitir aos estudiosos analisar os fatos, além daquilo que é descrito no Antigo Testamento (na foto acima, uma inscrição em aramaico, do século IX a.C., que contém a mais antiga referência à dinastia do rei David). 
Por outro lado, a época do Êxodo foi uma fase de grandes deslocamentos populacionais no Oriente Médio. O conflito dos egípcios com os hititas (que viviam na Ásia Menor, onde hoje é a Turquia), a chegada dos "povos do mar" (procedentes de algum ponto do Mediterrâneo), que ameaçaram o Egito após o reinado de Ramsés II. Os invasores filisteus, que se estabeleceram na Palestina e se tornaram vizinhos dos hebreus e dos cananeus (daí vem a origem do nome Palestina, "terra dos filisteus"), trouxeram dificuldades para o estabelecimento de uma unidade política entre as tribos hebraicas. Isso sem contar a ascensão dos assírios, no norte da Mesopotâmia, que viriam a dominar o Oriente Médio. 
Enfim, a perspectiva de que sejam encontradas evidências materiais e documentais para o Êxodo, fora dos textos bíblicos, são muito remotas. Por sua vez, os textos bíblicos também lançam luzes sobre as origens da primeira religião monoteísta da Antiguidade. A pureza nas crenças religiosas era algo muito distante da realidade dos hebreus, no século XIII a. C.. O nome Israel, por exemplo, pode ser uma referência à antiga divindade "El", adorada pelos cananeus. Nesse sentido, o Êxodo têm um significado como marco fundador para os antigos israelitas e na sua luta para se estabelecer na Palestina, que envolveu também o enfrentamento de Iavé com outras divindades locais, como "Baal" e "Asherá".
Se, na condição de historiadores, fizermos uma leitura "ao pé da letra" do texto bíblico, muitas dúvidas ficarão sem resposta. Por sua vez, lembramos novamente que os mitos têm relação íntima com as dificuldades enfrentadas pelos indivíduos, para buscarem a sua afirmação enquanto povo ou nação. No caso dos hebreus, isso não foi diferente......
Para saber mais:
Raymond P. Scheindlin. História Ilustrada do Povo Judeu. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.
Crédito das Imagens:
Estátua de Moisés: Miguel Ângelo. Editora Taschen, 1998, pag. 51.
Mapa do Oriente Médio Antigo. Raymond P. Scheindlin. História Ilustrada do Povo Judeu. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004, pag. 27.
Mumia de Ramsés II. Egito: Terra dos Faraós. Coleção Civilizações Perdidas. Rio de Janeiro: Abril Coleções, 1998, pag. 8.
Fragmento de texto bíblico e estela de Mineptah: John Romer. Testamento: os textos sagrados através da história. São Paulo: Editora Melhoramentos, 1991, pags. 89 e 41.
Múmia de Seth I e colossos de Ramsés II: O Mundo Egípcio (volume 2), Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. 1996, pag. 220 e capa.
Canal de irrigação moderno. O Antigo Egito. Biblioteca de História Universal Life. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1969, pag. 46. 
Inscrição contendo referência à dinastia do rei David: Tesouros da Terra Santa: do rei David ao cristianismo. Catálogo da Exposição do MASP em São Paulo, 2012, pag. 22. 

117 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigado Jadson! Um grande abraço....

      Excluir
    2. gostaria de saber a continuação histórica da vida de ramses II pós exôdo o que aconteceu com ele o que ele fez, como foi seu reinado após o exodo e a expulsão dos hebreus quem reinou após o grande ramses ...
      se possivel gostaria de receber via e-mail uma publicação ou aviso de resposta a minha pergunta
      thallisthiego@hotmail.com

      Excluir
    3. Ele morreu afogado no mar vermelho

      Excluir
    4. Não ele viveu por muito tempo, e como o texto diz não há referências sobre o êxodo ligado a Ramsés 2. Há uma teoria que seu filho morreu lutando contra Moisés. Mas tudo é teoria. Enfim ele morreu dr velho sendo um dos mais velhos faraós. O sucessor foi mernepta.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigado Daniel, fico agradecido por seu comentário. Abçs.

      Excluir
  3. Adorei esta leitura,muito bem explicado nota 10.

    ResponderExcluir
  4. Adorei esta leitura,muito bem explicado nota 10.

    ResponderExcluir
  5. Um texto muito bom. Livre de preconceitos ou tendências religiosas, ele se resumiu a nos informar o que se conhece até hoje sobre o assunto.
    Enriquecedor. Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Alexandre por suas impressões. Um grande abraço!

      Excluir
  6. Adorei o texto, muito bom e bem explicativo!!!

    ResponderExcluir
  7. deus fez as coisas loucas no mundo para confundir os sábios fé e tudo que mais importa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade
      Não importa o que a história tente mostra o que vale a fé a certeza do que realmente acreditamos , através dá nossa fé ... Se a Bíblia diz que foi assim, então foi e ponto final.

      Excluir
  8. deus fez as coisas loucas no mundo para confundir os sábios fé e tudo que mais importa

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Não devemos interpretar os fatos bíblicos "ao pé da letra". Se fosse assim, não haveria necessidade de ciência. Outrossim, o tema da postagem não é a Arca de Noé. Aliás, se você é alguém tão iluminado e sabe que ela existe ainda, diga-nos onde está. O planeta inteiro gostaria de saber. Com relação ao "qualquer um" escrevo sobre aquilo que aprendi na mais importante universidade brasileira, pois sou doutor em história pela USP. Abçs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dr. apesar de eu não concordar com todos os pontos do seu texto, não quis dizer que seja um texto ruim. Muita gente deve acha - lo um texto ótimo para o ponto de vista histórico. E claro que é isso que vc prioriza no seu blog. Já que é aberto a comentários, eu comentei.
      Seria melhor que o Brasil tivesse mais pessoas interessadas em se formar nas universidades ou estudar a bíblia mesmo que em casa. Se fosse o caso, nosso país seria bem melhor. Desculpe qualquer ofensa, Deus abençoe seu trabalho.

      Excluir
    2. Como você mesmo percebeu Wilher, é um blog de história, que possui as suas metodologias de trabalho como qualquer outra disciplina. Absolutamente, não sou contrário a que as pessoas professem sua fé, seja qual for. A Bíblia é um livro que pode ser lido de vários modos e mesmo como uma forma de orientação para a vida, como mostra o meu texto. Sim, o blog é um espaço democrático para debate e exposição de ideias, tanto que o e-mail que você enviou está disponível para todos lerem. Abçs.

      Excluir
    3. Bom texto.Só tem algo que sempre fiquei intrigado e gostaria que você me esclarece-se essa dúvida, se possível é claro.Se estes relatos do Êxodo, terem passado despercebidos (ou não) dos escribas egípcios,seria uma "hipótese" de que, pelo império e todo o seu poder,não ter relatado esta vexaminosa derrota por um povo escravo e inculto, desprovido de armas e técnicas de guerra?, com isso, o não relato por eles ,como dizer...serviria de piada para a eternidade? Gostaria de seu ponto de vista e espero que minha pergunta seja entendida,Abraço Denis.

      Excluir
    4. Procure na internet... Pois já foi encontrado vestígios que mostram que ela foi sim construída
      Agora se as pessoas não acreditam assim como aquele povo que não creram que Jesus era o Messias e o crucificaram .. assim muitos tem o crucificado até hoje

      Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  11. Muito bom o texto, sem falar da resposta ao dilúvio ���� o que foi excelente!

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Amigos e amigas, também, quero deixar aqui, minhas impressões sobre o texto, principalmente, quando a tv exibe a novela os 10 Mandamentos.
    Considero que devemos, além da fé, procurar estudar fatos concretos e históricos, para que se confirmem ou não.
    Entendo que Deus ao nos dar a capacidade de pensar, foi para que pudéssemos assim proceder.
    Considerando que em nenhum momento da História e, se considerarmos o principal membro da História Cristã, Jesus não criou nenhuma religião, mas sim, proclamou o amor incondicional ao próximo, inclusive perdoando-o 70 vezes sete, penso que existe tendências em todas as religiões, para que aquela que está em evidência, no momento citado, comungue para que as suas indicações sejam as verdades verdadeiras.
    Então, considero que todas possuem, como pano de fundo, serem verdadeiras e, assim, seus praticantes e discípulos possam agir, segundo suas verdades.
    Desta forma, acredito que usando nossa capacidade de pensar e estudar, possamos concluir histórias e fatos coincidentes, para que a verdade seja explicitada.
    Dentro das possibilidades histórias, o texto exposto é muito bom e pode nos capacitar um pouco mais a pensar e a querer estudar mais e quem sabe descobrirmos e ratificar os textos bíblicos.
    José Eustáquio Teixeira, Belo Horizonte/MG.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  14. Amigos e amigas, também, quero deixar aqui, minhas impressões sobre o texto, principalmente, quando a tv exibe a novela os 10 Mandamentos.
    Considero que devemos, além da fé, procurar estudar fatos concretos e históricos, para que se confirmem ou não.
    Entendo que Deus ao nos dar a capacidade de pensar, foi para que pudéssemos assim proceder.
    Considerando que em nenhum momento da História e, se considerarmos o principal membro da História Cristã, Jesus não criou nenhuma religião, mas sim, proclamou o amor incondicional ao próximo, inclusive perdoando-o 70 vezes sete, penso que existe tendências em todas as religiões, para que aquela que está em evidência, no momento citado, comungue para que as suas indicações sejam as verdades verdadeiras.
    Então, considero que todas possuem, como pano de fundo, serem verdadeiras e, assim, seus praticantes e discípulos possam agir, segundo suas verdades.
    Desta forma, acredito que usando nossa capacidade de pensar e estudar, possamos concluir histórias e fatos coincidentes, para que a verdade seja explicitada.
    Dentro das possibilidades histórias, o texto exposto é muito bom e pode nos capacitar um pouco mais a pensar e a querer estudar mais e quem sabe descobrirmos e ratificar os textos bíblicos.
    José Eustáquio Teixeira, Belo Horizonte/MG.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Eustáquio, seu comentário é sereno e lúcido. A cada nova hipótese ou mesmo evidência revelada a respeito de Jesus, a sua figura apenas se engrandece. Trata-se de um caso ímpar na história. É um personagem, inclusive, revolucionário e à frente de seu tempo em vários de seus pensamentos.
      Abraços e obrigado pela observação.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    3. Um comentário de Fábio Ventura Videl foi excluido, não por discordar do texto ou da opinião de seu autor, mas por colocar termos impróprios e por ofender aos demais leitores na sua liberdade de expressão. Me reservo ao direito de, no caso de ofensas gratuitas, proceder a essa exclusão.......

      Excluir
  15. Esclarecedor.
    Parabéns doutor
    é uma grande alegria para mim ver que existem pessoas comprometidas em jogar luz na penumbra que a história da humanidade criou ao longo dos tempos.
    e principalmente da capacidade de separar essas varias etapas de modo coerente e esclarecedor.

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  17. Muito consistente e concreto o texto.....maravilhoso.

    Um pena o ensino nesse País privar nossa gente da História limpa e cristalina como essa excelente aula.

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, obrigado José! Um grande abraço para você e vamos torcer para o nosso ensino melhorar!!!!

      Excluir
  18. Respostas
    1. Muito obrigado por seu comentário Paulo. Abçs.

      Excluir
  19. Um texto bem explicado, que nos faz pensar, parabens e no aguardo por mais similares

    ResponderExcluir
  20. realmenti me impressiona a imteligençia deles pelas obras e sabedoria num todo

    ResponderExcluir
  21. realmenti me impreciona a imteligencia deles pelas obras e sabedoria num todo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Sergio por seu comentário e um grande abraço!

      Excluir
  22. realmenti me impreciona a imteligencia deles pelas obras e sabedoria num todo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sergio, você se refere aos egípcios ou aos hebreus? Se for aos egípcios, sim, foi uma civilização que nos deixou grandes contribuições e teve uma longa duração, mais de três mil anos, até a era cristã. Quanto aos hebreus, deixaram a influência religiosa e o monoteísmo (crença em um só deus). Obrigado por sua leitura..........

      Excluir
    2. Prezado, acredito que a primeira manifestação monoteísta foi com Akhenaton. Nessa época, me parece que os Hebreus não eram ainda monoteístas.

      Excluir
  23. realmenti me impressiona a imteligençia deles pelas obras e sabedoria num todo

    ResponderExcluir
  24. Muito obrigado Wirlen. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  25. Que texto mais rico! Parabéns, palavras muito bem colocadas, uma riqueza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Carla. Fico feliz por seu comentário!

      Excluir
  26. Respostas
    1. Outro dia assistindo o history, falavam sobre o exodo e de cmo moises teria usado taticas do exercito egipcio para fugir do mesmo. E q cmo ele morou muito tempo no deserto sabia exatamente a hora em q o uma parte do mar vermelho ficava raso o suficiente pra ser atravessado pe. ..comentei isso cm a vó do meu marido q e evangelica e quase apanhei.....kkkk as pessoas levam tudo muito ao pe da letra....

      Excluir
    2. Zilda, imagine se você comentar que há historiadores e arqueólogos que, simplesmente, negam o Êxodo e consideram isso um simples mito. É o caso de Israel Filkenstein, arqueólogo israelense. Mas, também não existem elementos para segar completamente o evento. Inclusive, muitos hebreus viveram no Egito em épocas posteriores e até chegaram a ocupar posições importantes, lembrando o caso de José. A Bíblia também é um documento histórico. Abraços.

      Excluir
    3. José viveu 400 anos antes de Moisés, OQUANDO A TERRA DO EGITO E REGIÃO PASSARAM POR GRANDE FOME, O PATRIARCA jCÓ (PAI DE jOSÉ) E SEUS 12 FILHOS E FAMILIAS DESCERAM AO EGITO, ,LA O POVO HEBREU FOI SE MULTIPLICANDO. MOISÉS ERA DA TRIBO DE LEVI, UM DOS FILHOS DE JACÓ E IRMÃO DE MOISÉS, ABRAÇOS!

      Excluir
  27. Parabéns pelo texto. Imparcial como deve ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por seu comentário Cleudimar. Abçs.

      Excluir
    2. Continuo curiosa.como o Egito se reergueu sem o trabalho escravo.???pode responder assim.NÃO SEI.quero saber o que não esta na Bíblia.eu creio na Bíblia.

      Excluir
  28. Uma coisa que me intriga hoje e sempre: Os hebreus poderiam passar pela hoje, faixa de Gaza e portanto por terra seca, não tendo necessidade de passar pelo mar!!! Outra coisa é que os egípcios não tinham a "cultura" da escravidão e acho que a quantidade de hebreus foi inflada, não sendo toda essa gente não!!! kkk. CAMARGO - CURITIBANOS-SC

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amado tigrão. Deus quiz dar a eles tempo para conhece-Lo mas eles morreram no deserto pois eram incrédulos.como muitos de nos nos dias de hoje.

      Excluir
  29. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  30. Tigrão 73, de fato a rota que teria sido percorrida pelo Êxodo, se considerarmos que, de fato, o mesmo ocorreu, não necessitaria ter atravessado o mar Vermelho. Existiriam outras possibilidades. Sim, você está correto, a escravidão no Egito era uma fonte suplementar de mão de obra, não a mais importante. A própria população prestava serviços ao Estado. Com relação à quantidade da população hebraica, também não tão grande quanto aparece nos filmes, não havia logística que possibilitasse um deslocamento de milhares e milhares de pessoas pelo deserto. Enfim, existem muitas dúvidas. Obrigado pela leitura.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 400 anos sem TV podendo ter varias esposas e sua alteza ainda acha q não era uma multidão?se vossa esselencia disser que muitos escolheram ficar no Egito sera mais fácil ludibriar seus seguidores.rsrsts

      Excluir
  31. Antes de mais nada o parabenizo pelo texto, é Muito bom e baseado em fatos históricos. Espero que ler mais textos como este. Na verdade Encontrei seu blog procurando por civilizações anteriores a egípcia na África, porém pouco se sabe ainda dessas civilizações ou grupos e fatos que ligam a migração de hebreus para o Egito . Porém pouco se sabe. Não vi nenhum pesquisador relatando a presença de hebreus em papiros ou outras escrituras fora a Bíblia. Imagino que os Hebreus migraram por causa da fome, pois a região da Síria e Palestina e Iraque foram muito produtivas a 7000 a.c e pelas mudanças climáticas nesses milênios migraram para essa região do delta do Nilo (apenas minha suposição). Mas isso que é bom, a busca do conhecimento nunca acabará e possibilitará novas pesquisas e teorias sobre nosso grande e pouquíssimo conhecimento das nossas origens.

    ResponderExcluir
  32. CT Assessoria, obrigado por seu comentário. As fontes a respeito dos hebreus no Egito são quase inexistentes. Contudo, na postagem têm uma inscrição em pedra da época do faraó Merneptah, onde os hebreus são citados. Uma coisa curiosa, cerca de 700 anos após o Êxodo, há vestígios de hebreus morando no Alto Egito e servindo ao governo faraônico. Não se sabe em que época eles teriam chegado ou se são remanescentes do tempo do Êxodo, a respeito do qual, nenhuma evidência concreta foi encontrada, fora as escrituras.............

    ResponderExcluir
  33. Parabéns pelo texto. Excelente, curiosamente encontrei-o após uma pesquisa ocasional por Ramsés no google. Ao iniciar a leitura, pude perceber que se ttratava de um conteúdo rico e muito bem elaborado.

    ResponderExcluir
  34. Parabéns pelo texto. Excelente, curiosamente encontrei-o após uma pesquisa ocasional por Ramsés no google. Ao iniciar a leitura, pude perceber que se ttratava de um conteúdo rico e muito bem elaborado.

    ResponderExcluir
  35. Muito bom o texto e bem imparcial no que tange às tendencias de crenças. O que me fez chegar ate este blog foi minha pesquisa no que se refere à continuidade da descendência de Ramsés II, já que seu primogênito Amenhotep morre com a decima praga citada na Bíblia. O que a ciência explica quanto ao sucessor de Ramsés II e Nefertari, existiu? Não encontrei nada que me esclarecesse isso. O que houve com a sequencia de poder no Egito apos esse período que na Bíblia se refere ao êxodo apesar de a historia não registrar a existência do êxodo? Agradeceria muito se pudesse me ajudar nessa pesquisa. Parabéns pelo texto. Historia deveria ser uma constante em nosso dia a dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Sandra Souza. Fico contente por sua leitura e seu comentário. Para esclarecer as demais duvidas recomendo outra postagem deste blog: Ramsés II: faraó do Egito Antigo. A mesma foi publicada em maio de 2012. Mas, adianto que Nefertari não foi a sua unica esposa. O sucessor dele foi o seu próprio filho, Merneptah, que teve com outra mulher. Existiu uma dinastia (família) de mais de 12 faraós que adotaram o nome Ramsés. Infelizmente, nenhum documento encontrado no Egito, escrito em hieróglifos, faz referência ao Êxodo. Na verdade, esse fato está descrito apenas no Antigo Testamento. Um grande abraço para você.

      Excluir
  36. Adorei o texto..faço muitas pesquisas desse tipo....agora eu pesquisando sobre Tut o faraó menino...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Zilda. Se lhe ajudar, este blog tem um post sobre Ramsés II também. Abraços.

      Excluir
  37. Olá Dr. gostaria de expressar seu excelente trabalho nesse texto.Aprecio muito histórias da antiguidade, mas gostaria de me aprofundar mais sobre a história do Egito, tipo como ficou o Egito apos a saida dos hebreus? A biblia não relata esses fatos quanto ao Egito. Parabéns!!! sucesso!!! Rosilaine

    ResponderExcluir
  38. Olá Dr. gostaria de expressar seu excelente trabalho nesse texto.Aprecio muito histórias da antiguidade, mas gostaria de me aprofundar mais sobre a história do Egito, tipo como ficou o Egito apos a saida dos hebreus? A biblia não relata esses fatos quanto ao Egito. Parabéns!!! sucesso!!! Rosilaine

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rosilaine por seu comentário. Adianto que o Egito conheceu uma fase de lento declínio após o reinado de Ramsés II e foi invadido por assírios, babilônios, persas, gregos (Alexandre, o Grande) e finalmente os romanos, nos tempos de Julio César e Cleópatra. Um declínio de mais de mil anos! Abraços.

      Excluir
  39. Só acho que a respeito dos 10 mandamentos, faltou mencionar o quanto eles se assemelham as 42 confissões dos livros dos mortos Egípcios e os traços de monoteísmo adotado pelo faraó Aquenáton.Mas o texto é excelente em nenhum momento foi unilateral.

    ResponderExcluir
  40. Bruno, muito obrigado por sua leitura e comentário. Muitos estudiosos, inclusive o arqueólogo de origem judaica Israel Filkenstein, chegar a negar que o Êxodo tenha existido e dizem ser tudo um mito. A meu ver, embora não seja um especialista no assunto, a grande questão é a proporção descomunal dada ao evento nos séculos seguintes. Sim, é possível uma influência da religião hebraica na egípcia e vice-versa, o que seria mais provável no caso do Livro dos Mortos. Lembremos que, no final do segundo milênio antes de Cristo, os hebreus constituíam ainda, uma comunidade tribal e não uma nação. A maioria dos estudiosos concorda com isso e daí, talvez, não se ter encontrado nenhuma repercussão do evento em documentos egípcios. A reforma de Aquenáton teve também também um caráter político, de diminuir a influência dos demais sacerdotes e unificar a religião. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  41. Muito bom o texto realmente enriquecedor tanto pela visão histórica quanto a teológica, como cristão e tbm como professor de escola dominical numa simples igreja, um fato não foi mencionado, a fé ela é feita de verdades práticas, se colocar-mos ao pé da letra como iríamos crer quando Jonas foi engolido por um grande peixe, ou que o sol parou por quase um dia completo para josue, trata-se de fé , que por sinal a bíblia relata de forma precisa e única esse "sexto sentido "do ser humano, hebreus capítulo 11 verso 1 em diante, essa razão meio que fora de razão eh inexplicável, um abraço a todos e novamente mencionando parabéns ao texto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Thiago, obrigado por seu comentário. De fato, você tem razão. Como tentei colocar quando citei a historiadora Karen Armstrong, que inclusive é uma ex-freira, as histórias bíblicas têm também essa função, ajudar as comunidades a transpor determinadas etapas por meio de exemplos relacionados ao passado e ao imaginário coletivo. Contudo, prefiro não abordar a questão da fé, deixando esse aspecto para a consciência de cada um. Mas fico contente por suas observações.Um grande abraço!

      Excluir
  42. Olá Doutor, o texto é bem interessante, porém se me permite, vou deixar uma questão e teoria em aberto, penso assim, o Reinado Egípcio que conviveu com os Hebreus na época, talvez, por serem escravos e insignificantes para seus meios políticos, não haja artefatos nem escrituras em seus monumentos e afins, e no caso das pragas e travessias do mar, de acordo com o que está escrito na Bíblia foi algo realmente frustrante para um Faraó; não acredito, se realmente foi o Ramsés II o faraó, e se o seu Reino deixaria em escrituras a derrota de seu Reinado para o povo Hebreu que por consequência eram escravos e tinham seu Deus oposto aos Egípcios, outro fato que a Bíblia fala é que o faraó e suas tropas foram todos derrotados fazendo assim sumir do mapa o mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Douglas, obrigado pela leitura e comentário. Vamos por partes. O fato de não existiram informações dos egípcios a respeito do Êxodo pode ser atribuída a muitos fatores, inclusive, veja bem, uma tese defendida por muitos estudiosos, que esse fato não tenha existido. Outros, menos rigorosos, que a retirada dos hebreus não tenha tido a dimensão e o tamanho, descrito no Antigo Testamento. O fato do faraó ter sido derrotado não impediria de deixar um registro. Os egípcios poderiam a versão deles mesmos. A verdade é uma só, tais registros não foram encontrados. Quanto ao Egito após o Êxodo, o mesmo continuou a existir e muitos outros faraós também se autodenominaram Ramsés. No Egito, ele ficou conhecido por suas grandes obras, por isso chamado Ramsés, o Grande. O reino egípcio durou mais mil anos até a conquista romana promovida por Julio César, no século I a. C.. Abraços.

      Excluir
  43. Não entendi oq aconteceu com Egito pós êxodo??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Unknown, obrigado por deixar a sua duvida. Na resposta do comentário anterior ao seu, eu tentei responder a essa dúvida. O Egito durou mais mil anos como reino e, inclusive, fez várias incursões na Palestina, terra dos hebreus. Outros impérios chegaram a dominar o Egito e a Palestina, como os assírios, babilônios, persas, gregos e, finalmente, os romanos, no século I a. C., na época de Julio César. Abraços.......

      Excluir
  44. Olá, sou professora de História apaixonada e sempre estou lendo, estudando, buscando várias fontes de um mesmo assunto e sempre descubro quantos detalhes novos são descobertos. São informações e opiniões e fatos que parecem ser infinitos quanto mais buscamos. Enfim, quero parabenizar pela riqueza de informações do seu artigo, a forma unilateral e correta de expor fatos históricos e agradecer algumas informações que eu não conhecia a respeito. Defendo a imparcialidade pois acredito que devemos equilibrar religião/crença e ciência/fato e observar sempre o que é coerente. Mais uma vez parabéns. Abraços.

    ResponderExcluir
  45. Dani, um comentário como o seu, que é uma professora de História, me deixa muito gratificado. Sim, tento ver os fatos à luz da nossa disciplina e comparando com as descobertas feitas por outros historiadores e estudiosos, embora não seja minha especialidade. Mas, é um assunto que me fascina. Comecei o blog dirigido para os meus alunos para estimular a leitura e o debate. Mais uma vez obrigado por seu comentário!

    ResponderExcluir
  46. Ola primeiramente parabéns pelo artigo, estou pesquisando sobre o faraó Ramsés por curiosidade e gostaria de saber como historiadores podem afirmar com tatnta certeza de que o êxodo não existiu... Sou leiga no assunto

    ResponderExcluir
  47. Cara leitora, primeiramente obrigado por sua leitura e comentário. Na visão dos historiadores, a unica fonte a respeito do Êxodo é o Antigo Testamento. Acontece que o mesmo adquiriu forma escrita, aproximadamente, sete séculos após o fato ter ocorrido. Imagine você um fato ter sido mantido, apenas pela tradição oral, durante todo esse tempo. Além disso, é pouco provável que os hebreus formassem um povo unificado em termos religiosos no tempo de Moisés. Isso não significa dizer que eles não tivessem, por uma razão ou outra, estado de fato, no Egito. Aliás, uma inscrição em hieroglifo (escrita egípcia) é a primeira menção aos hebreus conhecida em toda a história (a foto da inscrição está na postagem), quando o sucessor de Ramsés invadiu a Palestina. Mas, faltam maiores evidências e fontes. O historiador trabalha com uma espécie de "malha fina" confrontando o que está nas Escrituras com outras fontes. Isso não significa negar a presença dos hebreus no Egito, nem antes e nem depois do Êxodo. Em épocas posteriores, é comprovada a presença de hebreus na região do Nilo, inclusive servindo a outros faraós, até a era cristã. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  48. Gostei muito da matéria pois não diz que não aconteceu, mais diz que não sabemos em que período da história isso aconteceu. Eu pesquisei e encontrei algumas matérias que mostram que foi encontrado em um ponto do mar vermelho onde a profundidade é reduzida um estreito de terra submersa, e neste local foi encontradas rodas das bigas egípcias. Bom eu acredito que quando todos os mistérios existentes do mundo forem solucionados, nos seremos retirados deste mundo assim como a promessa de Deus!

    ResponderExcluir
  49. Sou enfermeira obstetra e amo o que faço. Mas também sou apaixonada pela história e busco nela o entendimento para muitas passagens bíblicas, que também amo estudar. Achei o texto excelente e muito lúcido. Só aguçou mais a minha sede de conhecimento na busca de entender o que foi e o que é a nossa história. Parabéns ao História Mundi!!!

    ResponderExcluir
  50. Eu não sou muito bom em história, mas acredito nas descobertas feitas por arqueólogos, pois são profissionais que se empenham e vivem pra desvendar mistérios e esclarecer acontecimentos históricos. Parabéns pela matéria! Eu sou cristão e creio na escrituras sagradas, é bem verdade que existe escritos de difícil compreensão, mas quanto aos livros históricos, eu não tenho dúvidas da sua veracidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gonçalves, obrigado pela leitura e pelo comentário. De fato, nem todos os fatos descritos na Bíblia, sobretudo no Antigo Testamento, tem confirmações arqueológicas e possivelmente isso nunca venha a ocorrer. É o caso do Êxodo. Por outro lado, é sabido que em muitas épocas os hebreus sofreram o domínio egípcio em seu próprio território, a Palestina, até em épocas posteriores a Ramsés II. Tais narrativas tem uma fundamentação histórica, embora os hebreus tenham ampliado a época a tempos muito remotos. Um grande abraço!

      Excluir
  51. Parabens pelo texto, bem imparcial. Eu sempre tinha duvidas sobre o Êxodo fazer parte da historia ou não, desde que assisti quando criança o filme Os Dez Mandamentos - drama epico de 1956. Mas em livros e pesquisas sobre Ramses II nunca é confirmada e quase sempre nem mencionada, e pelo seu texto pude entender porque. Cheguei muitas vezes a pensar que devido ao imenso orgulho do Farao da epoca ele mandaria apagar qualquer mensão aos fatos que pra eles seriam muito vergonhosos, mas se até agora, mesmo com tantas descobertas sobre os egipicios, e não existe nem menção da existencia dos hebreus como escravos na época, então acredito que a possibilidade é quase zero de que apareça algum documento confirmando. Queria poder saber mais sobre descobertas feitas sobre o Faraó Ramses II, poderia indicar livros e documentarios? Obrigada

    ResponderExcluir
  52. Parabens pelo texto, bem imparcial. Eu sempre tinha duvidas sobre o Êxodo fazer parte da historia ou não, desde que assisti quando criança o filme Os Dez Mandamentos - drama epico de 1956. Mas em livros e pesquisas sobre Ramses II nunca é confirmada e quase sempre nem mencionada, e pelo seu texto pude entender porque. Cheguei muitas vezes a pensar que devido ao imenso orgulho do Farao da epoca ele mandaria apagar qualquer mensão aos fatos que pra eles seriam muito vergonhosos, mas se até agora, mesmo com tantas descobertas sobre os egipicios, e não existe nem menção da existencia dos hebreus como escravos na época, então acredito que a possibilidade é quase zero de que apareça algum documento confirmando. Queria poder saber mais sobre descobertas feitas sobre o Faraó Ramses II, poderia indicar livros e documentarios? Obrigada

    ResponderExcluir
  53. Dr. Faz três anos que não tenho coragem de ler nada. Sei que isso é péssimo!!! Li esse seu material e todos os comentários. Muito obrigado! claro que só fiz a leitura porque sou fascinado pelo assunto e sua escrita é muito boa: algo que vem de uma pessoa preparada e com uma clareza para o leitor. Vou ler todo que tiver no seu blogue a partir de amanhã. Adoro história do Egito e da Bíblia, Com esse tipo de abordagem é claro. Abraços.

    ResponderExcluir
  54. Gosto das abordagens sobre o tema quando se tenta explicar a inexistência de informações sobre o éxodo noa história egípcia. Comecei a pensr sobre essas perguntas inquietantes desde que nos mudamos para a Suíça a 12 anos. Sendo um apaixonado por história do Brasil e do mundo, percebi aqui o quão pouco se sabe sobre a nossa história na Europa...Fato que a princípio me desapontou, mas mudei de opinião quando comecei a me interessar sobre a história da Suíça e da Europa...E me dei conta que a história hoje nos é passada em um modo bastante homogêneo, em tempo real e com uma facilidade incrível...Porém não consideramos os fatos como a relevância que o fato teve para o resto da história...Como já foi dito, o Egito não apenas presenciou o êxodo, mas comparando com tudo o que se sabe sobre ele, realmente teria talvez sido um detalhe, digamos, insignificante...

    ResponderExcluir
  55. Tods essa lengalenga de povo israelita no egito nunca apareceu em livros históricos, se fosse verdade Josué teria assassinado dois bilhões de pessoas pasra distribuir suas terras aos inexistentes filhos de israel das dize tribos de \jacob de b mudo. Na Igreja dos judeus na Cruz Vermelha tem as doze contelçãoe do zodíaco, que serviram de il referêncioa para a invenção das 12 truibus de isrel dos i2 apóstolos de Sidharta, dos doze Apóstolos do Chrisrtós da \grecia de onde o Vaticano copiou o c seu chrtiasnismo. Os s tudo que sew refere ao número sete é uma c´po cópia das sete constelações da Ursa Maior. A Caballá explica direitinho essse fenômeno, o de associar cousas que nãoentendemos a números e asrtros celestes. O livro E a Bívblia \Tinha \razão do Werner Queler, é um dos livros que orovsm or a, ma b que toda a históroia do velho tstamento e do novo também e Caôperfurado. O Vt é sensacional para estusrmos história se fizermos um estudo profunda,ente acirrado porque não tem cornologis; pra mim wu sou professor de ortuguês, é OVT é um liro totslmente metonímico, a metonímia faz a adeqwualção daas palavras noi tempo em que elas existirame qwuem profetriu e prova qwue 90% por centos dos vocábulos não e do tempo do pessoal do vt. OJehovbá do VT jamais proferiria a expressão Jeová o rei dos exércitod, falou e disse com esta no perntateuco. O Chacrinha sim é o autor desta expreessão e de uma que srve para como uma luva paraa igrejinhas cujos membros são quase que analfabetod por inteiro a expressdão é; Eu não vim pra expcsr, eu vom pra confundir.i

    ResponderExcluir
  56. Acho que o exodo nao foi mencionado pelos escribas dos faraos,por ordens deles,que talvez so queriam que escrevessem as coisas boas.A fuga dos hebreus talvez tenha causado tanta vergonha na alta sociedade egipcia,que deve foi proibido escrever sobre isto.É como uma modelo tirando fotos,ai ela tem uma espinha e pede para fazer photoshop.Tira o "imperfeito"e coloca o "perfeito".Essa é a minha opniao.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Darlan, em primeiro lugar obrigado pela leitura e pelos comentários. Devemos também destacar que outros fatos ocorridos ao tempo de Ramsés II, como a guerra contra os hititas (povo que vivia na Asia menor, onde hoje é a Turquia), embora em alguns momentos desfavorável ao faraó, recebeu uma versão oficial que colocava Ramsés II como grande herói, sobretudo na batalha de Kadesh (ver postagem sobre Ramsés II no mesmo blog). Nesse sentido, ficaria semelhante ao exemplo do "photoshop" que você mencionou. O que intriga os estudiosos é exatamente essa total ausência de versões do lado dos egípcios.
      Um grande abraço para você.

      Excluir
  57. Bom se eu fosse o rei na epoca mais nunca que eu iria registrar oque aconteceu comigo e meu povo.
    E mandaria destruir tudo que provasse que os hebreus passara pelo egito.

    Explica pra gente os 5mil corpos de soldados que foi recentemente descobertos debaixo do mar vermelho :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Rafinha, em primeiro lugar obrigado pela leitura. O fato do faraó não ter relatado o suposto acontecimento não significa que ele quis "esquecer". Uma outra leitora já observou isso e eu respondi afirmando que em uma situação, o normal é o governante escrever a sua sua versão dos fatos. Nós temos um exemplo com o próprio Ramsés II em relação à Batalha de Kadesh contra os hititas. Ele deu a própria versão vitoriosa, embora saibamos que foi algo sofrido e por pouco o rei egípcio não perdeu a própria vida. Com relação aos cinco mil corpos que foram encontrados, você deve avisar os arqueólogos disso, pois a mesma seria a maior descoberta de toda a história. Por falar em arquelogia, recomenda pesquisar na própria internet sobre Israel Finkelstein, insuspeito arqueólogo israelense (insuspeito porque o Êxodo é o marco fundador do povo judeu). Ele vai ainda mais longe do que eu: o Êxodo simplesmente não existiu!Sugiro dar uma olhada na neste link para maiores informações:
      https://pt.wikipedia.org/wiki/A_B%C3%ADblia_n%C3%A3o_Tinha_Raz%C3%A3o
      Abraços.

      Excluir
  58. Olá, tudo bem?

    Gostaria de saber se você poderia me tirar uma dúvida. A Família real (Seti I, Tuya, Ramsés, Nefertari) habitavam em 'Pi-Ramsés', e segundo leituras que fiz, esta localidade era ao norte do Egito, porém estes vales mortuários estão ao centro-sul (aprox. 780 km de distância entre um local ao outro). Como podem estar enterrados tão longe da sua cidade governamental na época??? Ou era em outra localidade o reino? Obrigado e aguardo.

    ResponderExcluir
  59. Parabéns pelo magnifico texto sobre Ramsés II, Moisés e o êxodo. Sou historiador nota DEZ. Um forte abraço respeitoso. e Muito sucesso es merecedor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Mestre Jaugusto. É um prazer te-lo como leitor.

      Excluir
  60. Parabéns pelo texto! Nunca tive muito interesse por história na época escolar. Hoje me chama muito a atenção blogs como o seu. É muito bom ter pessoas dotadas de sabedoria e que dedicam seu precioso tempo passando informações para pessoas leigas como é o meu caso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro leitor, é para pessoas como você que este blog se dirige em primeiro lugar. Não me coloco como dono da verdade (e nem poderia) mas me proponho a ser um ponto de partida para o debate e divulgar o conhecimento nestes tempos em que a educação é tão desprezada. É uma honra para mim te-lo como leitor. Muito obrigado!

      Excluir
  61. O que mais me deixa abismado é o contexto histórico o qual somos movidos pela fé e como a bíblia descreve em diversos textos relatos de histórias o qual a ciência não consegue comprovar mesmo sendo capaz de reproduzir fatos e decifrar períodos a.c e d.c entre vários outros fatores como o próprio Big-Bang como teoria de tudo etc ... A biblia nos ensina exatamente como Jesus ensinava ... através de códigos e situações que mesmo estudando seus diversos temas e livros deixados por autores de sua época não conseguimos chegar ao ponto certo ... Um exemplo mítico é esse de Moisés e O Faraó que alguns relatos não descrevem Ramses como o faraó da época e mesmo vendo vídeos e outros documentários informando e mostrando os rastros deixados pelo Exodo como bigas e artefatos encontrados não se explica a veracidade da hisória ... ou seja ... Deus em sua existencia ainda não deixou ao homem a capacidade de conseguir realmente decifrar seus códigos e se viermos a um dia conseguir creio que será o final dos tempos

    ResponderExcluir
  62. Thallis, muito obrigado por sua leitura e comentário. Sim, a ciência não consegue (e nunca conseguirá) decifrar tudo. Mas, algumas coisas podemos discutir ou questionar. A Bíblia não diz o nome do rei do Egito. Apenas refere-se ao "faraó". Os rastros deixados pelo Êxodo não existem, a não ser aquilo que consta no Antigo Testamento. Se existissem, toda a discussão poderia estar encerrada. Aos olhos de um historiador ou de outro estudioso, seria necessário um conjunto de evidências ou indicações para se estabelecer com precisão um determinado evento. o que não significa também que o mesmo não tenha ocorrido. Como o Êxodo, existem centenas de outros acontecimentos nesse mesmo patamar. Pelo que temos hoje a possibilidade maior é ainda a de duvidar desse evento, até porque é difícil estabelecer que os hebreus, no século XIII a.C., já se identificassem enquanto um povo ou mesmo do ponto de vista religioso como seguidores de um único deus. A maioria dos historiadores das religiões vê isso como algo improvável. Enfim, o debate continua. Um grande abraço para você.

    ResponderExcluir
  63. Com certeza ... ainda fico no espaço tempo questionado a esta dúvida assim como outras relacionadas a essa época um vasto conhecimento de pintura e leitura ja que os egípcios eram éticos e ao ponto de vista perfeccionista em ter suas imagens demarcadas ao longo de suas conquistas vemos ao mesmo tempo que nenhum se quer chegou a registrar relatos sobre o Êxodo ou mouses como sendo um grande oponente do faraó da época até mesmo quando relatamos sobre Jesus cristo comparado a Pilatos ja que em comparação ao faraó gostava de demarcar território com gravuras escritas e imagens de bustos etc ... Acho muito legal observar os estudos de pesquisadores ja que por meu conhecimento o mundo em si nos limita a essa possibilidade de crescimento já que para tudo temos quer ter Dinheiro relacionado ou seja, sem ele não temos como ir muito longe ... ainda somos escravos de certa forma por isso a história não avança com tanta veracidade já que até mesmos os historiadores são dependentes de poderio político e religioso onde diversos deles morrem antes de chegar a compartilhar de seus descobrimentos ... Um grande abç e mais uma vez parabéns pelo seu acervo literário ... nos vemos em breve com mais debates vou deixar alguns links para melhorar nossas pesquisas no seu e-mail como resposta. abç

    ResponderExcluir
  64. https://www.youtube.com/watch?v=YWn44bYbgag

    https://www.youtube.com/watch?v=wnT_bbCjYEU

    https://www.youtube.com/watch?v=LsSbBYVkfWA

    ResponderExcluir